Meu Carrinho

0 ITEM(s)

TOTAL: R$ 0,00

IR PARA O CARRINHO

SOBRE O CONCEITO DE HISTÓRIA

(9786586081503)

Editora:  Alameda  | 

Autor (a):  Walter Benjamin

Livro em Português

Número de Páginas: 208  | 

Ano da publicação: 2020

mais informações

SOBRE O CONCEITO DE HISTÓRIA

(9786586081503)

Editora:  Alameda  | 

Autor (a):  Walter Benjamin

Livro em Português

Número de Páginas: 208  | 

Ano da publicação: 2020

mais informações

As combinações acima não possuem estoque.

por: R$ 46,00

ou por 12x de R$ 4,64 com juros

Quantidade

+

-

COMPRAR

Frete e prazo

Frete e prazo

calcular

Não sei meu cep

Descrição do Produto

Oitenta anos depois da composição dessas teses impressiona a absoluta atualidade delas. A necessidade de se repaginar a história do ponto de vista dos vencidos é imperativa. Ela deve estar na base de qualquer projeto digno de um viver em comum que vise nos catapultar para fora desse nosso momento histórico de triunfo do neocolonialismo, do negacionismo da crise ambiental, da homofobia, da misoginia, do racismo, de fobia à política, à democracia e aos direitos humanos.

Se revisionistas neofascistas estão galgando o poder hoje é porque também não soubemos nos aparelhar politicamente com uma história estruturada de modo forte o suficiente para resistir aos ataques negacionistas e memoricidas. O revisionismo fascista que quer glorificar ditaduras e torturadores exige uma resposta que se dá, antes de mais nada, no campo da guerra das imagens, para usar uma expressão do cineasta e videoartista Harun Farocki. Benjamin afirmou há oitenta anos que estávamos \perdendo essa batalha. Cabe a nós reverter este estado de coisas. Como lemos nas suas teses de 1940:

“Articular o passado historicamente não significa conhecê-lo “como ele foi de fato”. Significa apoderar-se de uma recordação, tal como ela relampeja no instante de um perigo. Para o materialismo histórico, trata-se de capturar uma imagem do passado tal como ela, no instante do perigo, configura-se inesperadamente ao sujeito histórico. O perigo ameaça tanto a sobrevivência da tradição quanto os seus destinatários. Para ambos ele é um e o mesmo: entregar-se como ferramenta da classe dominante.

Em cada época, deve-se tentar novamente liberar a tradição do conformismo, que está prestes a subjugá-la. Pois o Messias não vem apenas como Redentor, ele vem como o vencedor do Anticristo. Apenas tem o dom de atiçar no passado aquelas centelhas de esperança o historiógrafo atravessado por esta certeza: nem os mortos estarão em segurança se o inimigo vencer. E esse inimigo não tem cessado de vencer.”

Márcio Seligmann-Silva

PRODUTOS RELACIONADOS

Produtos Relacionados